Crítica: Passageiros

7 de janeiro de 2017 0 Por Diego C. Melo
Unir a queridinha de Hollywood com o novo astro americano parece uma receita certa de sucesso estrondoso, correto? Nem tanto.
O romance estrelado por Jennifer Lawrence e Chris Pratt ganha destaque por arriscar em uma obra diferente do tradicional, mas que aposta no AMOR como tema central.
Passageiros : Foto Chris Pratt
O início do filme tinha tudo para fisgar os espectadores, o que não ocorre, na verdade acaba meio que se perdendo demais em mostrar o quase nada. A demora para aparição de Jennifer gera pensamentos sobre o quanto Pratt vai segurar a onda sozinho, embora bom ator, passa longe de ser um Tom Hanks e conduzir um filme solitário. Tanto que sua interação com o Barmen cibernético é bem mais interessante do que ele sozinho.
Resultado de imagem para passageiros 2016
Quando Jennifer aparece é desperdiçada aquela entrada triunfal, devidamente compensada no momento do encontro com o galã de Passageiros.
Passageiros : Foto Chris Pratt, Jennifer Lawrence
A história de corações apaixonados leva um tempo para ser absorvida, mas quando acontece é evidente a química entre os personagens principais, o que na verdade acaba salvando a obra de um naufrágio interestelar.
Imagem relacionada
A aparição quase que desnecessária de Laurence Fishburne é algo que quebra o gelo entre o casal e nada mais. Logo, sua presença é tão tola que logo é apagada.
Uma das cenas mais entusiasmantes do filme é quando a gravidade age na piscina, algo que devia ter sido aproveitado com um maior primor.
Passageiros : FotoPassageiros é aquele casal que todos sabem que vão ser felizes para sempre, apenas o próprio casal não consegue enxergar e quando resolve fazê-lo, aí sim o público torce, grita, chora e se entrega completamente à obra.
Passageiros : Foto Chris Pratt A produção parece ter esquecido de se apaixonar pela história e jogou essa tarefa aos artistas principais. Caso houvessem pequenas modificações, Passageiros não seria tão raso. É uma boa opção para namorados ou não. Vale o seu ingresso e sua pipoca, só não vale a pena guardar tanto tempo na memória.

Nota 7
Por Dieguito C. Melo
Revisado por Thalles Amaro
Apoio UCI Cinemas