Crítica: Paixão Obsessiva

Quando o casamento entre David (Geoff Stults) e Tessa (Katherine Heigl) termina, ele fica com a casa e com a guarda da filha pequena. Tessa, furiosa com a situação, descobre que ele já está envolvido com uma nova mulher, Julia (Rosario Dawson), uma vítima de abuso por parte do ex-marido. Enquanto Julia se adapta à vida de madrasta, Tessa bola um plano para sabotar a nova namorada de David e retomar o relacionamento.

Dono de um trailer alucinante, o filme prende o espectador com o seu suspense do início ao fim. Com boas atuações e a utilização de ângulos pouco aproveitados no cinema atualmente, Paixão Obsessiva vai um pouco além de um capítulo de novela mexicana.

Dentre os pontos positivos, pode ser citado o enredo bem construído, mas que deveria ter sido melhor explorado. Algumas histórias deixam a desejar e ficam apenas no imaginário das pessoas. Outra situação que provoca raiva em quem assiste é a Katherine Heigl e Rosario Dawson. Uma gera ódio devido à sua cara de sonsa e a outra por muitas vezes ser a própria demência em pessoa. Isso é exatamente o que a direção queria e conseguiu plenamente.

A aparição tão aguardada do ex-marido da Julia e que é o alicerce do filme, simplesmente acontece de uma maneira bem sutil e infelizmente é desperdiçada. A construção em torno dele acaba sendo jogada para o alto em poucos minutos e o mesmo vale para a cena que conclui o capítulo de Tessa na história.

A maquiagem e efeitos deixam um pouco a desejar, já a trilha sonora tinha obrigação de ser mais explorada, pois era deliciosa de ser ouvida. Pecou também nesse ponto. A história tinha tudo para ser sensacional. Gera alguns sustos e apreensão, mas nada que seja surpreendente.

Paixão Obsessiva é na verdade um filme tipicamente de Supercine e que vai agradar ao público em partes. Deixa um pensamento sobre em quem você deve confiar. Vale a pena você assistir e tirar suas próprias conclusões. A indicação foi feita, apenas esteja ciente que a pipoca e o refrigerante é por sua conta.

Curiosidades:

Kerry Washington foi cogitada para protagonizar a trama, mas desistiu da proposta para estrelar em Confirmação (2016). Kate Hudson também foi considerada para estrelar no longa.

Não era para ser

Amma Asante iria dirigir o longa, mas desistiu do projeto quando Kerry Washington recusou um dos papéis principais.

Nota 4,5

Por Dieguito C. Melo

Revisado por Thalles Amaro

Apoio UCI Cinemas

Related posts

Leave a Comment