Crítica: Alien: Covenant

Crítica: Alien: Covenant

11 de maio de 2017 0 Por Diego C. Melo

Criar um filme numa lacuna entre outros é uma tarefa extremamente árdua, que apenas caberia para o Ridley Scott fazer, e ele conseguiu. Uniu elementos que deixaram dúvidas há muito tempo na franquia e selou por hora as suas interrogações.
O trailer mostra uma obra com mais adrenalina e, na realidade, existe muito mais explicações do que emoção.

Algumas mortes deveriam ter sido melhor elaboradas e aproveitadas, pois em diversos momentos o elenco é tratado como de um filme adolescente e simplesmente dão adeus sem mais nem menos. Uma pena. Sem contar a falta de carisma e de envolvimento com os personagens, que são extremamente descartáveis.

Os sustos e o terror são ínfimos, quando podiam ser bem mais profundos e tenebrosos. Se alguns diálogos desnecessários fossem eliminados e cenas de ação tivessem o clima de tensão mais bem construído, Covenant seria uma excelente opção cinematográfica para ficar na memória das pessoas, mas é apenas uma boa opção nos finais de semana.

Pontos positivos ficam a cargo dos efeitos especiais, bem elaborados e na medida certa. Mesmo com pequenos erros de continuidade, conseguiram cumprir o seu papel e fizeram parte do filme em vez de se tornar o filme, como tantos outros que se deixam levar pelos excessos.

Vale a pena assistir, agora não esqueça de deixar suas expectativas de lado para assim tentar aproveitar o melhor o filme. Figura entre regular e bom. Apenas isso e nada mais.

Nota 6

Por Dieguito C. Melo

Revisado por Thalles Amaro

Apoio UCI Cinemas