Após novo recorde de mortos, Itália prolonga confinamento para conter coronavírus

Após novo recorde de mortos, Itália prolonga confinamento para conter coronavírus

22 de março de 2020 0 Por Diego C. Melo

O primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte anunciou nesta quinta-feira (19) que as medidas de confinamento tomadas há uma semana no país seriam prolongadas além da data inicialmente prevista de 3 de abril.

A Itália é o país europeu mais afetado pela pandemia e registrou nas últimas 24 horas 475 mortes. Desde o início da epidemia, nunca havia tido, nem mesmo na China, um número tão grande de mortos em apenas um dia em um único país.

“As medidas que tomamos, tanto as que levaram ao fechamento de grande parte dos empresas e atividades individuais no país, quanto as relativas às escolas, têm que ser prolongadas”, afirmou Giuseppe ao jornal Il Corriere della Sera de hoje.

O confinamento total da Itália foi decretado em 11 de março pelo governo inicialmente por um período de duas semanas, mas após sete dias em vigor, o isolamento da população ainda não gera o efeito desejado. O coronavírus continua a se propagar rapidamente.

“Estamos evitando que o sistema de saúde entre em colapso, as medidas restritivas funcionam.

Está claro que quando atingirmos o pico e os contágios começarem a diminuir, pelo menos em percentagem dentro de alguns dias, esperamos poder voltar à nossa vida de antes”, disse o primeiro-ministro.Conte.

Os especialistas acreditam que o país atingirá o pico de contaminações entre 23 e 25 de março, quando o número de casos deve começar a cair. Até agora, 2.978 italianos morreram devido ao coronavírus, um saldo muito próximo ao da China (3.200), onde a doença surgiu em dezembro. Em todo o país, 35.713 casos foram registrados. A região norte continua sendo a mais atingida.

Medidas mais restritivas?

Após sete dias de confinamento, o número de italianos que desrespeita as medidas começa a aumentar, mas o primeiro-ministro não pensa em tornar as restrições ainda mais severas. No entanto, Conte declarou que está disposto a “atuar”, caso as normas não sejam respeitadas.

“Temos que ter o senso comum e trabalhar de maneira consciente sobre o que fazemos. As sanções penais para os que não respeitam as regras existem e serão estritamente aplicadas”, advertiu. “Concordo com os municípios que fecharam os jardins e os parques. Uma coisa é praticar uma atividade esportiva e outra é que os locais públicos virem pontos de encontro de pessoas, o que é inaceitável”, completou.

Autoridades locais do norte da Itália, onde os contágios continuam a aumentar, consideram que se a propagação não for freada nos próximos dias será necessário adotar medidas mais severas e proibir, por exemplo, a prática da corrida nas ruas.

Desde a semana passada, 60 milhões de italianos estão confinados em casa e só podem deixar suas residências por razões profissionais ou motivos urgentes. As escolas estão fechadas e as reuniões coletivas foram proibidas.

(Com informações da AFP)